colicas

Livre-se das Cólicas Menstruais

Como a Medicina Natural está ajudando as mulheres a obterem alívio de até 100% dos sintomas da dismenorreia.

Comovido com as terríveis dores causadas pelas cólicas menstruais de uma amiga resolvi pesquisar a respeito e encontrei respaldo científico para alguns tratamentos naturais que segundo alguns estudos podem levar até 100% de alívio dos sintomas causados pela dismenorreia (termo médico utilizado para a cólica menstrual acompanhada de dor).

Muitas vezes as dores e outros sintomas da dismenorreia são tão fortes que algumas mulheres chegam a vomitar ou até mesmo desmaiar.

Muitos homens também sofrem consideravelmente de forma indireta os efeitos da dismenorreia, eu mesmo muitas vezes me sinto impotente e aflito diante de tamanho sofrimento que algumas mulheres demonstram ter. Outros sofrem, pois, muitas mulheres têm o seu estado de humor drasticamente alterado (na famosa TPM).

Abaixo você encontra alimentos, minerais e vitaminas que auxiliam no alívio dos sintomas e a fonte de pesquisa dos estudos consultados nas referências. Dentre a extensa lista os que aparentemente apresentaram melhores resultados segundo os estudos realizados foram o zinco e a vitamina B1.

  • Óleo de Onagra

Pode ser consumido como suplemento dietético. Este óleo segundo o Dr. Jorge Panplona, ajuda a reduzir espasmos e a dor do útero. Pode-se também acrescentar como suplemento outros óleos vegetais, pois também são eficazes, como os óleos de gérmen de trigo, semente de uva, etc.

  • Soja

Por ser uma irregularidade do tipo hormonal, uma alimentação rica em soja e seus derivados (tofu, leite de soja, etc.) pode auxiliar na diminuição dos sintomas da dismenorreia. A soja é rica em fitoestrógenos, o fitoestrógeno ajuda a regular o ciclo menstrual.

  • Leite de Mamão

Dez a quinze gotas de leite de mamão dissolvidos em água e tomados em jejum ajudam a regular o ciclo menstrual.

  • Fibra Alimentar

 25 g diários de fibra alimentar contribuem significativamente para evitar a dor e alterações do ciclo menstrual. A fibra é encontrada somente nos alimentos vegetais como as frutas, cereais integrais, hortaliças e legumes.

  • Ômega-3

Uma Pesquisa recente (2005) indicou que um mecanismo subjacente a dismenorreia causa um desequilíbrio entre anti-inflamatórios (vasodilatadores eicosanoides derivados de ácidos graxos ômega-3) e pró-inflamatórias (vasoconstritores)1. Vários estudos têm apontado que a ingestão de ácidos graxos ômega-3 pode reverter os sintomas da dismenorreia. A mais rica fonte dietética de ácidos graxos ômega-3 é encontrada no óleo de linhaça, não no peixe como muitos acreditam.

  • Zinco

Uma revisão de estudos de caso indicou que o zinco, em 1-3 doses de 30 miligramas dado diariamente por 1-4 dias antes do início da menstruação, impede a praticamente todos os sintomas das cólicas menstruais.

  • Magnésio

A ingestão oral de magnésio tem sido indicada no alívio das dores. Em alguns ensaios clínicos algumas mulheres experimentaram uma redução na dor durante o período menstrual e uma diminuição das prostaglandinas no sangue. A dose terapêutica é pouco clara. Além disso, algumas mulheres pararam de tomar magnésio durante os ensaios, possivelmente devido à falta de benefícios comprovados ou devido a efeitos adversos, tais como prisão de ventre.

  • Piridoxina

Existe alguma evidência de que o suplemento de piridoxina (vitamina B6), quando tomado sozinho ou associado ao magnésio, pode reduzir a dor, mas são necessárias mais pesquisas para confirmar isso.

  • Vitamina E

Um estudo randomizado e controlado demonstrou que a ingestão oral da vitamina E alivia a dor da dismenorreia primária e reduz a perda de sangue.

  • Tiamina (Vitamina B1)

A ingestão de tiamina (vitamina B1) foi demonstrada para prestar auxílio com mulheres com dismenorreia e uma dose diária de 100 mg apresentou efeito curativo em 87% dos casos.

  • Gestação

É o que dizem por aí, ao menos o que as vovós dizem, a conversa popular conta que geralmente após a primeira gestação as cólicas insuportáveis tendem a ficar amenizadas ou até desaparecerem quase por completo.

  • Vegetarianismo

Um estudo da Universidade da Colúmbia Britânica, de Vancouver no Canadá, comprovou que as mulheres vegetarianas sofrem menos transtornos ovulatórios do que aquelas que têm uma dieta rica em carne e seus derivados.

  • Flavonoides

Use alimentos ricos em flavonoides. Os alimentos mais ricos em flavonoides são os de coloração roxa e roxo escuro, como a uva eles parecem ter efeitos benéficos no controle da dismenorreia.

  • Refeições regulares

A famosa dieta de 3 em 3 horas, refeições seriadas, beliscar entre refeições parecem também ter um efeito negativo na amenização dos sintomas. Já ter um intervalo entre uma refeição e outra de ao menos 5 horas pode ser benéfico não somente para sintomas de cólicas menstruais, mas também na menopausa.

As orientações deste e de qualquer outro artigo no site não dispensa ou substitui as consultas e indicações de profissionais da área médica.

Quer saber mais? Inscreva-se em nossa newsletter ou entre em contato conosco.

Referências

  • Diagnosis and management of dysmenorrhoea.  http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1459624/, acesso em 01 de dezembro de 2014.
  • Curative treatment of primary (spasmodic) dysmenorrhoea. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1459624/, acesso em 01 de dezembro de 2014.
  • Efeitos da suplementação durante a dismenorreia1. Xu L, Liu SL, Zhang JT – 2005.
  • Artigo sobre Plantas Medicinais e fitoterapia. http://www.plantasmedicinaisefitoterapia.com, acesso em 01 de dezembro de 2014.
  •  Roger, Jorge Panplona. O Poder Medicinal dos Alimentos. Págs. 181 e 182. Tatuí – SP. Casa Publicadora Brasileira, 2006.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *